A importância do exame de sangue para os caminhoneiros

0
207

Saiba a importância de incluir em sua rotina os exames de sangue que podem diagnosticar precocemente doenças graves. 

Com a saúde não se brinca. Por isso, realizar os exames de sangue periodicamente é essencial, da mesma forma que verificar rotineiramente o estado do óleo lubrificante do motor de um caminhão. Um simples exame de sangue é capaz de diagnosticar precocemente doenças graves que demandariam exames bem mais complexos e demorados.

Por exemplo, o hemograma é o exame que avalia quantitativa e qualitativamente os elementos celulares do sangue. Ele é o exame complementar mais requerido nas consultas, fazendo parte de todas as revisões de saúde e rotina de exames, pois é uma triagem muito útil e fornece informações valiosas sobre o paciente, muitas vezes tomadas como ponto de partida para a maioria das investigações médicas. O hemograma, além de avaliar a condição do sangue e seus tecidos formadores (em especial a medula óssea), fornece a indicação de alguma doença presente em outros órgãos. Os resultados anormais podem indicar a presença de uma variedade de condições incluindo anemias, leucemias e infecções, muitas vezes antes mesmo que o paciente apresente os sintomas da doença.

Segundo o enfermeiro Douglas Eduardo do Prado, o caminhoneiro, que na maior parte do tempo vive nas estradas, deveria reservar um tempo para realizar os exames de sangue pelo menos a cada seis meses. “Muitas empresas dão apoio e exigem desses profissionais esses exames com frequência”, comenta.

Com anos de experiência na área de saúde, Douglas do Prado explica que além de fazê-los regularmente, o caminhoneiro deve estar atento em manter hábitos saudáveis, como evitar comidas gordurosas, excessos de sal e açúcar, se movimentar fisicamente, evitando assim problemas futuros.

Alguns exames

Além das doenças sexualmente transmissíveis (DST) como, aids, sífilis, hepatites, entre outras, os exames de sangue revelam o nível de açúcar (glicose) e de colesterol no sangue. O LDL (lipoproteínas de baixa densidade) é o colesterol “mau”, que se acumula nos vasos sanguíneos, obstruindo-os e promovendo a aterosclerose. Valores altos deste colesterol podem levar a infartos. O HDL (lipoproteínas de alta densidade) é o colesterol “bom”, que irá eliminar o colesterol “mau” dos vasos sanguíneos. Assim, quando mais elevados estiverem os valores, mais protegidos estarão os vasos da aterosclerose. Através do sangue, pode saber ainda a creatinina e a ureia que têm como função analisar o funcionamento dos rins. O exame de sangue que mede os níveis de triglicérides (triglicerídeos), serve para avaliar o metabolismo das gorduras no organismo e também fatores de risco para doenças cardiovasculares. O TGP (transaminase glutâmica pirúvica) e TGO (transaminase glutâmica oxalacética) verificam a saúde das células do fígado. Assim, valores muito altos nestes dois exames podem significar que existam lesões nas células hepáticas. O PSA (antígeno prostático específico) também conhecido como gama seminoproteina ou calicreína-3 ( KLK3 ), é uma proteína, que irá ver os seus valores aumentados no sangue durante algumas doenças, tais como infecções ou cancro da próstata.

Os exames de fósforo, cálcio, sódio e potássio irão verificar os valores desses minerais no sangue. Qualquer alteração, seja para cima ou para baixo, é motivo de investigação por parte do médico para corrigir o problema. Os T4 livre (tiroxina livre circulante no sangue) e TSH (sigla em inglês que significa hormônio estimulador da tireoide) servem para verificar o funcionamento da tireoide, e dessa forma, diagnosticar e controlar doenças como o hipotireoidismo e o hipertireoidismo.

No exame para ver a taxa de ácido úrico é possível verificar se existe risco de aparecimento da gota e cálculos renais.

O caminhoneiro José Oscilan, 59 anos e 35 de estrada, transporta no Scania produtos alimentícios. Ele faz a rota São Paulo a Recife com muita tranquilidade em relação à sua saúde. A empresa na qual trabalha exige exames de sangue a cada três meses. “Além de colaborar com o diagnóstico, os exames previnem doenças. Se, por exemplo, o colesterol está alto já recebemos toda uma orientação para abaixá-lo. É como uma manutenção preventiva em um caminhão”, diz.

Outro motorista que faz frequentemente os exames de sangue é Edson Manuel da Silva, 40 anos de idade e 10 anos de estrada. Ele transporta no Volkswagen, cargas gerais e a transportadora onde trabalha também exige esses tipos de exames. “Acho eles de suma importância e fico mais seguro, com a minha saúde, para fazer o meu trabalho”, comenta Silva.

 

O que traz um hemograma?

Células vermelhas.

Células vermelhas na corrente sanguínea.

 

Número e tipos de células brancas do sangue
Um elevado número de células brancas do sangue pode significar uma inflamação ou uma infecção.

Número de células vermelhas do sangue
Um número baixo de células vermelhas pode ser um sinal de anemia ou outras doenças.

Variação no tamanho das células vermelhas do sangue
Em casos de anemia pode haver uma maior variação no tamanho das células vermelhas.

Hematócrito
Esta é a porcentagem de células vermelhas do sangue em um determinado volume de sangue total, mede o quanto do sangue é composto de glóbulos vermelhos. Hematócrito baixo pode ser um sinal de anemia ou de sangramento excessivo.

Hemoglobina
Transporta oxigênio dos pulmões para o resto do corpo. Anormalidades podem ser um sinal de problemas que vão desde anemia a doenças pulmonares.

Contagem de plaquetas
As plaquetas desempenham um papel na coagulação sanguínea. Poucas plaquetas podem significar um problema por excesso de sangramento.

Tamanho médio de células vermelhas do sangue
Este teste é conhecido como Volume Corpuscular Médio (VCM). Quando houver células vermelhas maiores, entre outras coisas, pode significar o corpo está com pouca vitamina B12 ou ácido fólico. Se as células vermelhas do sangue são menores, isso pode ser um sinal de certos tipos de anemia, tais como anemia por deficiência de ferro.

Hemoglobina Corpuscular Média
Este teste mede a quantidade de hemoglobina presente nas hemácias.

 

 

Leave a reply