Revista Caminhoneiro Pedágio: Uma tarifa indigesta
Quarta-feira, 30 Julho 2014

todo mes / destaque / pedagio uma tarifa indigesta


Pedágio: Uma tarifa indigesta

publicado em: 02/03/2012

A maior reclamação dos caminhoneiros, com relação às estradas, é o pedágio. Preço alto, muitas praças, pouca distância entre elas, enfim, menos dinheiro no bolso.

Mas como é calculado o valor do pedágio? Segundo a Artesp - Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo, o cálculo das tarifas de pedágio é feito utilizando-se o conceito de tarifa quilométrica, que corresponde a um valor fixo por quilômetro multiplicado pelo trecho de cobertura da praça. Sendo assim, a presença de várias praças de pedágios em uma mesma rodovia não implica no aumento do valor a ser pago, mas sim, no fracionamento do valor total.

O valor fixo é compatível com o nível de investimentos e serviços operacionais previstos para a rodovia. Às vezes, se tem a impressão de que duas rodovias têm valores de pedágio diferentes, o que não é correto. Na rodovia dos Imigrantes, o valor do pedágio é de R$ 20,10. Porém, esse valor é relativo à ida e à volta, o usuário só paga em um único sentido. O valor por quilômetro do Sistema Anchieta-Imigrantes é exatamente o mesmo nos demais sistemas rodoviários do Estado (Anhanguera-Bandeirantes e Castelo-Raposo): R$ 0,163015 (dezesseis centavos por quilômetro).

Este sistema de um padrão único foi estabelecido desde o início das concessões rodoviárias, em 1998, no qual em todas as rodovias estaduais vigora o modelo de cobrança quilométrica.

Novo sistema

Redação: Francisco Reis
Foto(s): Divulgação


< anterior   Ver todas   próxima >